Sequestro do ônibus 174

No dia 12 de junho do ano 2000 aconteceu um episódio que paralisou o país. Sandro Barbosa do Nascimento, sobrevivente da Chacina da Candelária, sequestrou o ônibus da linha 174 por quase 5 horas. Em razão desse sequestro, ele a professora Geísa Firmo Gonçalves, que estava grávida de dois meses, acabaram mortos.

Sandro não chegou a esse ponto de uma hora para outra. A sua condição de criança pobre, negra, abandonada pelo pai, foi decisiva para a sua entrada no mundo do crime, conforme retratado no filme/documentário Ônibus 174, do diretor José Padilha. Criado apenas pela mãe, ele presenciou o assassinato dela na favela onde moravam, aos 8 anos de idade. A partir daí foi viver nas ruas e adotou o apelido de “Mancha”. Tornou-se um viciado em drogas e passou a roubar para manter o vício. Sandro nunca aprendeu a ler ou escrever, apesar de ter sido mandado para inúmeras instituições de atendimento a jovens infratores.

Sandro era um entre as dezenas de jovens sem teto que frequentavam as escadarias e arredores da Igreja da Candelária, no Rio de Janeiro, onde recebiam comida e abrigo. No dia 23 de julho de 1993, aos 15 anos, ele também estava dormindo lá, quando dois Chevettes com placas cobertas pararam em frente à Igreja. Em seguida, os ocupantes do carro, que eram milicianos, atiraram contra todos eles. 08 morreram e vários ficaram feridos. Sandro foi um dos que escaparam ilesos, mas permaneceu vivendo na rua e no mundo do crime, assim como os demais sobreviventes. De acordo com a Anistia Internacional, dos setenta jovens que viviam naquela região naquele período, mais de quarenta, todos pobres e negros, já perderam a vida de forma violenta.

07 anos depois da chacina da Candelária, às 14h20 daquela segunda-feira, 20 de junho, Sandro entrou no ônibus 174. De bermuda, camiseta e um revólver calibre 38 à mostra, ele pulou a roleta e sentou-se próximo a uma das janelas. Vinte minutos depois, um dos passageiros conseguiu sinalizar para um carro da polícia que passava pela rua. O ônibus, então, foi interceptado por dois policiais. Nesse momento, o pânico já havia se instalado. O motorista e o cobrador abandonaram o veículo e alguns passageiros também conseguiram escapar, pulando pelas janelas e pela porta traseira. Dez passageiras, porém, foram feitas reféns. Luciana Carvalho foi uma das primeiras que teve a arma colocada na cabeça. Sandro a levou para a frente do ônibus e queria que ela dirigisse o veículo. Foi ali que o sequestrador fez o primeiro disparo, um tiro contra o vidro do ônibus, feito para intimidar os fotógrafos e cinegrafistas no local.

Foram horas de pavor. Sandro ameaçou outras reféns, mas não atirou em ninguém. Às 18h50, ele decidiu sair do ônibus usando a professora Geísa Firmo Gonçalves como escudo. Ao descer, um policial do Grupamento de intervenção tática tentou alvejar Sandro com uma submetralhadora e acabou errando o tiro, acertando a refém de raspão no queixo. Sandro então deu três tiros nas costas de Geísa. Com sua refém morta, Sandro foi imobilizado enquanto uma multidão correu para tentar linchá-lo. Ele foi colocado na viatura policial e foi morto por asfixia ali dentro. Os policiais foram inocentados de sua morte.

Apenas a avó de Sandro compareceu ao enterro dele. Geísa Firmo Gonçalves foi enterrada em Fortaleza/CE e seu cortejo foi acompanhado por mais de 3.000 pessoas.

Ambos são vítimas da absoluta falência do sistema de segurança pública brasileiro.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Saiba como seus dados em comentários são processados.

%d blogueiros gostam disto: